DICAS

Dicas para os iniciantes

Os iniciantes nesse esporte podem contar, tanto no Rio de Janeiro quanto em outros estados, com as valiosas dicas de praticantes mais experientes e, acima de tudo, amantes do trekking de regularidade. Grande parte das dicas abaixo foi sugerida pelo competidor da equipe de Graduados “Vamos Nós”, José Luiz Marins: Em sua primeira participação, a equipe deve se preocupar mais com a navegação do que com os cálculos. Na próxima prova, a equipe já estará familiarizada com o esporte, e poderá então se ocupar com a velocidade média decorrente dos cálculos.O segredo de tudo é manter a calma e ter a certeza do caminho a seguir. Se ocorrer alguma dúvida, verifique a distância, se necessário volte à referência anterior e recomece. É melhor perder alguns pontos no próximo PC do que sair na correria e não perceber a “pequena trilha ao lado da trilha principal” e ter de voltar todo o trecho. Observe sempre a referência seguinte.

União de equipe e divisão / rodízio de tarefas tornam a prova mais agradável; Não vá atrás de outras Equipes. Elas podem estar em outra referência (outro ponto da planilha) ou até mesmo erradas; Não entre em locais supostamente corretos. Se para alcançar a distância a ser percorrida ainda faltam algo em torno de 30%, ande estes 30% e confira que a referência correta está lá. Se você perceber que o caminho a seguir pode ser cortado por um atalho, não faça isso, pois pode haver um PC neste trecho e você será penalizado por não ter passado por ele. Além do mais, atalhos poupam tempo e você está participando de um rally de regularidade. Se avistar um PC não corra até ele. Ele pode ser o da volta e a entrada pode estar um pouco antes dele. Ao terminar a prova, converse com outras Equipes. Assim poderá descobrir erros e evitá-los numa próxima prova. Se estiver cansado, com dor no corpo ou perdido, volte até o último PC e solicite ajuda da equipe de resgate.

Dicas da equipe Caravana, que disputa a categoria Graduados-A no Campeonato Paulista e pratica trekking de regularidade há 7 anos:

1. É necessário formar uma equipe com componentes atuantes e envolvidos. A presença em todas as provas é fundamental. A regularidade de participação dos integrantes da equipe tem influência direta na regularidade da navegação.

2. Os interesses comuns colaboram para que uma equipe atinja seus objetivos. Se todos da equipe estão motivados a fazer uma boa prova, certamente farão.

3. É preciso que a equipe faça seu planejamento anual de participação nas provas de forma a conciliar com a vida familiar e profissional de cada integrante.

4. Faça um orçamento para prever os gastos mensais. Some taxa de inscrição na prova, transporte, alimentação e equipamentos para navegação.

5. Paciência! Não espere conseguir bons resultados nas primeiras participações. Faça um trabalho voltado a encontrar a função mais adequada para cada integrante. No início, cada um pode ser voluntário para as funções de execução dos cálculos, navegação, controle do tempo e medida da distância. Com o tempo, cada um descobrirá seu caminho dentro da equipe.

6. Tenha sempre a atitude de um atleta. Alimente-se de forma saudável e procure manter a forma física. O Enduro a Pé parece não exigir fisicamente, mas trabalha alguns músculos que não costumamos usar no dia a dia. Para tomar decisões corretas e raciocinar rápida e eficientemente é importante estar bem fisicamente. Estatisticamente, os principais erros das equipes são cometidos na segunda metade das provas.

7. Características essenciais para o elemento responsável pela medida das distâncias (atualmente é sem dúvida, a função mais importante na categoria Graduados A):

a) alto poder de concentração (qualquer descuido pode perder a contagem);
b) calma, tranqüilidade (a pressão virá de toda a equipe durante todo o percurso);
c) bom senso (é necessário saber avaliar as mudanças nos tamanhos dos passos a cada instante).

8. Pelo menos em uma oportunidade, é necessário fazer uma medida do tamanho do passo do elemento responsável, em diferentes tipos de terrenos. Leve em consideração que o tamanho se altera devido a diversos fatores:

a) velocidade (verifique o tamanho para velocidades que variem de 20 metros/minuto a 80 metros/minuto);
b) inclinação do terreno (verifique que o tamanho do passo na descida é bem diferente do tamanho do passo na subida).
c) tipo de solo (terra, grama, pedra, brejo, etc.);
d) nível de stress e cansaço (muito difícil de controlar!).

9. Características essenciais para o elemento responsável pelo cálculo dos tempos ideais:

a) familiaridade com programas (é importante elaborar um programa ágil que forneça os dados de tempos ideais no menor tempo possível);
b) Rapidez nos cálculos dos tempos parciais (no máximo dez segundos para obter o tempo ideal de uma distância parcial);
c) perfeccionismo e atenção (qualquer erro, por menor que seja, pode comprometer toda a prova e todo o trabalho da equipe não servirá para nada);

10. Características essenciais para o elemento responsável pela navegação:

a) familiaridade com trilhas em diferentes terrenos (quem já está acostumado cansa menos e entende melhor as referências);
b) conhecimento da planilha, símbolos e referências (a experiência ajuda na interpretação da planilha);
c) noções básicas de orientação (evita ficar perdido muito tempo).

11. Conhecimentos importantes necessários a todos os integrantes:

a) regulamento da competição (use-o a seu favor);
b) noções de primeiros socorros (sempre existem riscos e é bom estar preparado);
c) a tranqüilidade é fundamental (as equipes que lidam melhor com as situações difíceis perdem menos tempo);

12. Equipamentos necessários para uma boa prova:

a) 2 calculadoras programáveis e 2 calculadoras simples para distâncias – tenha sempre uma de reserva para cada função;
b) cantil individual com capacidade de no mínimo 1 litro (evita perder a concentração emprestando ou pedindo emprestado);
c) relógios digitais individuais (é importante que todos saibam exatamente a hora que devem chegar em cada referência);
d) bússolas, de preferência a Silva ou as que se fixam como relógios (tenha mais de uma e faça sempre mais de uma leitura quando necessário – um erro de meio grau pode ser fatal – aprenda a usar a bússola de forma adequada e obtenha maior precisão);
e) há quem prefere usar tênis confortáveis, mas eles certamente não são adequados na lama, dentro de rios, sobre pedras e sobre chão liso. Recomendamos usar botas de caminhada que garantem a segurança dos tornozelos em diversos terrenos;
f) bonés ou chapéus (protege tanto do Sol como da chuva facilitando a leitura das planilhas);
g) pilhas sobressalentes para as calculadoras (nunca se sabe quando elas acabam);
h) plásticos próprios para proteção das planilhas e outros equipamentos;
i) pochete (para carregar todo o equipamento acima, mais canetas, alimentos energéticos, lanterna pequena, primeiros socorros).

Observação: Cada equipe atual dos Graduados desenvolveu o seu estilo de atuar, seja nos cálculos, na navegação, na distribuição das funções, na medida das distâncias, etc. Você também pode desenvolver seu estilo próprio, com a vantagem de utilizar as idéias já existentes e desenvolvidas por outras equipes.